PF deflagra 2ª fase da Operação Octopus para combater fraudes em benefícios previdenciários
http://www.urgentenews.com.br/wp-content/uploads/thumbnail-for-358685.jpg
Polícia Federal
eyJfb3JpZ2luYWxfdXJsIjoiaHR0cDpcL1wvd3d3LnBmLmdvdi5iclwvaW1wcmVuc2FcL25vdGljaWFzXC8yMDE5XC8wNlwvcGYtZGVmbGFncmEtMmEtZmFzZS1kYS1vcGVyYWNhby1vY3RvcHVzLXBhcmEtY29tYmF0ZXItZnJhdWRlcy1lbS1iZW5lZmljaW9zLXByZXZpZGVuY2lhcmlvcyIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbmFsX2xpbmsiOiIiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9vcmlnaW5fbG9nbyI6IiIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbl9sb2dvX2xpbmsiOiIiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9jYW5vbmljYWxfbGluayI6IiIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX2ZvbnRlIjoiRm9udGU6IFBvbFx1MDBlZGNpYSBGZWRlcmFsIn0=

Curitiba/PR – A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (11/6) a segunda fase da Operação Octopus, para combater fraudes em aposentadorias por idade, por tempo de contribuição e pensões por morte. O objetivo desta etapa foi apreender documentos relacionados às fraudes já constatadas na primeira fase da ação.

Nesta fase foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão em Curitiba/PR e Paranaguá/PR. A Operação Octopus foi deflagrada em 14 de maio de 2019 e identificou que para obter os benefícios fraudulentos a organização criminosa criou mais de 800 vínculos empregatícios fictícios.

As investigações tiveram início em 2017, a partir de denúncias recebidas pela Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Durante a primeira fase a  CGINT estimou um prejuízo aproximado de R$ 3,7 milhões com o pagamento de 53 benefícios obtidos de forma fraudulenta.

Atualmente um dos principais operadores das fraudes está preso preventivamente e outro também teve a prisão preventiva decretada e está foragido e está sendo procurado pelos policiais federais.

Os investigados já identificados poderão responder pelos crimes de associação criminosa, estelionato e inserção de dados falsos em sistemas corporativos do governo federal, com penas que podem chegar a 20 anos de prisão.

 

***O nome Octopus foi escolhido em alusão aos tentáculos do polvo, assemelhando-se ao modus operandi utilizado pela organização criminosa para alcançar seus objetivos.