“Killing Eve” e a revolução feminina no universo da espionagem
http://www.urgentenews.com.br/wp-content/uploads/thumbnail-for-346495.jpg
Entretenimento
eyJfb3JpZ2luYWxfdXJsIjoiaHR0cDpcL1wvZ2VudGUuaWcuY29tLmJyXC9jdWx0dXJhXC8yMDE5LTA1LTI0XC9raWxsaW5nLWV2ZS1lLWEtcmV2b2x1Y2FvLWZlbWluaW5hLW5vLXVuaXZlcnNvLWRhLWVzcGlvbmFnZW0uaHRtbCIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbmFsX2xpbmsiOiJ5ZXMiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9vcmlnaW5fbG9nbyI6Imh0dHA6XC9cL3d3dy51cmdlbnRlbmV3cy5jb20uYnJcL3dwLWNvbnRlbnRcL3VwbG9hZHNcLzIwMThcLzAxXC9sb2dvLWlnLWZ3LnBuZyIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbl9sb2dvX2xpbmsiOiJodHRwczpcL1wvd3d3LmlnLmNvbS5iclwvIiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfY2Fub25pY2FsX2xpbmsiOiJ5ZXMiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9mb250ZSI6IkZvbnRlOiBJRyBHRU5URSJ9

Se você já ouviu falar de Phoebe Waller-Bridge você está em dia com um dos nomes mais quentes do entretenimento no momento. A atriz e roteirista britânica, canceriana de 33 anos, é a grande fiadora de um movimento que ganha forma na cultura pop atual, as mulheres dominando a espionagem .

Leia também: “Easy” observa angústias inerentes às relações amorosas em seu ano final


Phoebe Waller-Bridge
Divulgação

Phoebe Waller-Bridge é o principal expoente da revolução feminina no universo da espionagem

É de Phoebe a produção executiva e o argumento de “Killing Eve”, aclamada série que propõe um jogo de gato e rato entre uma agente do MI6 e uma espiã assassina. A segunda temporada da produção estreia nesta sexta (24) no Globoplay. Ela também supervisiona o roteiro do próximo filme de James Bond.

O texto de Phoebe se notabiliza pelo humor cortante. Pense em Vilanelle, a irresistível psicopata vivida por Jodie Comer em “Killing Eve” e dá pra entender a razão dela estar envolvida no próximo Bond. Mas o que Phoebe faz é muito mais profundo que isso. Ela é a principal face de uma rotação inédita neste universo da espionagem na cultura pop.


Killing eve
Divulgação

Segunda temporada de “Killing Eve” estreia nesta sexta-feira (24) no Globoplay

Ela escreve personagens femininas complexas, inusitadas e envolventes. Uma psicopata mulher não é algo que se encontre em produções por aí e faz parte do charme da série exibida pelo Globoplay .

O despertar como criadora veio com as séries “Crashing” e “Fleabag”, cuja segunda temporada estreou recentemente no Amazon Prime Video, que misturavam humor e melancolia sem qualquer vestígio de correção política e comedimento.

Leia também: Com Superman do mal, “Brightburn” aborda o terror de maneira criativa

Ter alguém como Phoebe à frente de uma produção que pensa a mulher além da redistribuição de cotas imperativas no cenário cultural atual é importantíssimo. Veja o exemplo de “Hana”, outra série ambientada no universo da espionagem e com uma protagonista feminina.

A produção, também do Amazon Prime Video, é adaptada do filme homônimo de Joe Wright lançado em 2011, mas não apresenta a mesma sustância narrativa e o mesmo viés subversivo de “Killing Eve”.

Legado


Hana
Divulgação

Cena de “Hana”: mulheres à frente de histórias de espionagem

Da espanhola “O Tempo entre Costuras” (2013) a prestigiada “Homeland” (2011-atual), passando por “The Americans” (2013-2018), “Agent Carter” (2015-2016) e “Jessica Jones” (2015-2019), as mulheres mergulharam com força neste universo ao longo desta década.

Leia também: Deliciosamente exagerado, “Aladdin” faz a linha cafona, mas cativa pelo charme

“Killing Eve” e Phoebe Waller-Bridge são a maior expressão de uma tendência que se avolumou nos últimos anos na cultura pop com séries focando em mulheres às voltas com o universo da espionagem. Agora, Bond, maior símbolo tanto de masculinidade como da  espionagem , empresta um pouco desse fôlego para continuar relevante.