Moro admite derrota em decisão sobre Coaf: “Perder faz parte da democracia”
http://www.urgentenews.com.br/wp-content/uploads/thumbnail-for-345699.jpg
Nacional
eyJfb3JpZ2luYWxfdXJsIjoiaHR0cDpcL1wvdWx0aW1vc2VndW5kby5pZy5jb20uYnJcL3VsdGltb3NlZ3VuZG8uaWcuY29tLmJyXC9wb2xpdGljYVwvMjAxOS0wNS0yM1wvbW9yby1hZG1pdGUtZGVycm90YS1lbS1kZWNpc2FvLXNvYnJlLWNvYWYtcGVyZGVyLWZhei1wYXJ0ZS1kYS1kZW1vY3JhY2lhLmh0bWwiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9vcmlnaW5hbF9saW5rIjoieWVzIiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfb3JpZ2luX2xvZ28iOiJodHRwOlwvXC93d3cudXJnZW50ZW5ld3MuY29tLmJyXC93cC1jb250ZW50XC91cGxvYWRzXC8yMDE4XC8wMVwvbG9nby1pZy1mdy5wbmciLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9vcmlnaW5fbG9nb19saW5rIjoiaHR0cHM6XC9cL3d3dy5pZy5jb20uYnJcLyIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX2Nhbm9uaWNhbF9saW5rIjoieWVzIiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfZm9udGUiOiJGb250ZTogSUcgTmFjaW9uYWwifQ==

Sergio Moro
Marcelo Camargo/ABr

Sérgio Moro afirmou que perdas e ganhos fazem parte da democracia e lamentou a transferência do Coaf

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, se manifestou na manhã desta quinta-feira (23) sobre a decisão tomada pela Câmara dos Deputados, nesta quarta (22), de transferir o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) da pasta que ele comanda para o Ministério da Economia.

Segundo Sergio Moro , “faz parte da democracia perder ou ganhar”. A polêmica sobre o controle do Coaf é a que mais dividiu os parlamentares na votação de ontem e a decisão pela transferência é vista como uma derrota para o governo Bolsonaro e seu ministro da Justiça.

“Sobre a decisão da maioria da Câmara de retirar o Coaf do Ministério da Justiça, lamento o ocorrido. Faz parte da democracia perder ou ganhar. Como se ganha ou como se perde também tem relevância”, escreveu Moro no Twitter. “Agradeço aos 210 deputados que apoiaram o MJSP e o plano de fortalecimento do Coaf”, publicou.

O órgão fazia parte do Ministério da Fazenda até o fim do governo Temer. A MP transferiu o órgão para o Ministério da Justiça, mas a comissão especial decidiu devolver o órgão para a equipe econômica e o colocou no Ministério da Economia.