Operação contra fraudes no ABC Paulista apreende R$ 135 mil em residência
http://www.urgentenews.com.br/wp-content/uploads/thumbnail-for-328960.jpg
Política Nacional
eyJfb3JpZ2luYWxfdXJsIjoiaHR0cDpcL1wvdWx0aW1vc2VndW5kby5pZy5jb20uYnJcL3BvbGl0aWNhXC8yMDE5LTA0LTI1XC9vcGVyYWNhby1jb250cmEtZnJhdWRlcy1uby1hYmMtcGF1bGlzdGEtYXByZWVuZGUtci0xMzUtbWlsLWVtLXJlc2lkZW5jaWEuaHRtbCIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbmFsX2xpbmsiOiJ5ZXMiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9vcmlnaW5fbG9nbyI6Imh0dHA6XC9cL3d3dy51cmdlbnRlbmV3cy5jb20uYnJcL3dwLWNvbnRlbnRcL3VwbG9hZHNcLzIwMThcLzAxXC9sb2dvLWlnLWZ3LnBuZyIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbl9sb2dvX2xpbmsiOiJodHRwczpcL1wvd3d3LmlnLmNvbS5iclwvIiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfY2Fub25pY2FsX2xpbmsiOiJ5ZXMiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9mb250ZSI6IkZvbnRlOiBJRyBQb2xcdTAwZWR0aWNhIn0=

São Bernardo
Reprodução/Agência O Globo

Prefeitura de São Bernardo do Campo

A Prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, foi alvo de uma operação realizada na manhã desta quinta-feira (25) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Leia também: PF deflagra operação em oito estados contra desmatamento ilegal na Amazônia

Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão — cinco em São Bernardo  e um na capital paulista. Na casa de um agente público foram apreendidos R$ 135 mil em dinheiro. Numa segunda residência, a quantia de R$ 8.500. Foram apreendidos ainda oito computadores, cinco celulares, cinco HDs, pendrives e documentos diversos.

Batizada de Lix, a operação foi realizada na sede da Secretaria de Serviços Urbanos do município e na residência de dois agentes públicos. O objetivo é investigar irregularidades em dispensa de licitações, ou seja, quando serviços são contratados sem que sejam licitados pelo poder público. 

A operação é um desdobramento da “Operação Barbatanas”, que investigou ilícitos no município. O Ministério Público de São Paulo e a 12ª Promotoria de Justiça de São Bernardo denunciaram o ex-secretário de Gestão Ambiental Mario Henrique de Abreu; o ex-diretor de Licenciamento Ambiental Sergio de Sousa Lima, o ex-chefe de Seção Tiago Alves Martinez, além de outras quatro pessoas por organização criminosa, corrupção passiva e concussão.

Os promotores concluíram que os envolvidos agiam como organização criminosa, impondo multas ambientais ilegais. Empresários eram procurados por uma pessoa que se apresentava como assessor do então secretário e exigia propina para desembargar obras.

Leia também: STF dá habeas corpus a homem condenado a seis anos por tentar furtar bicicleta

Em alguns casos, empresários que tentavam regularizar a situação eram orientados a procurar a empresa Dan Arquitetura, que pertencia ao ex-diretor de Licenciamento Ambiental, que prestava serviço como forma de dissimular pagamentos de vantagens. O MP afirma que ainda investiga atos de lavagem de dinheiro por meio de empresas de transporte em São Bernardo .