Polícia Civil cumpre prisão de mulher que sequestrou bebê para ritual satânico em 2014
http://www.urgentenews.com.br/wp-content/uploads/2018/01/1-41.jpg
Policial
eyJfb3JpZ2luYWxfdXJsIjoiaHR0cDpcL1wvd3d3LnBqYy5tdC5nb3YuYnJcL25vdGljaWEucGhwP2lkPTE5ODU3IiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfb3JpZ2luYWxfbGluayI6Im5vIiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfb3JpZ2luX2xvZ28iOiIiLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9vcmlnaW5fbG9nb19saW5rIjoiIiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfY2Fub25pY2FsX2xpbmsiOiJubyIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX2ZvbnRlIjoiRm9udGU6IFBKQyBNVCJ9

Assessoria | PJC-MT

Uma mulher condenada por sequestro e cárcere privado de um bebê teve o mandado de prisão cumprido pela Polícia Civil, na quarta-feira (25.04), em ação da 1ª Delegacia de Polícia de Várzea Grande. Considerada foragida da Justiça, Neuza de Arruda, 42, sequestrou a criança para entregar em um ritual satânico.

O crime de grande repercussão ocorreu no ano de 2014, quando a suspeita junto a mais duas mulheres tomou a recém-nascida de apenas 45 dias dos braços da mãe, em Várzea Grande. Segundo as investigações, Neuza era “mãe de santo” e precisava da criança para realizar um ritual satânico.

De acordo com o delegado Guilherme Berto Nascimento Fachinelli, na época dos fatos a suspeita foi presa e ficou detida cautelarmente por sete meses. “A condenação aconteceu em 2015, porém desde então a suspeita estava nas ruas”, disse o delegado.

A suspeita foi localizada pelos policiais da 1ª DP-VG em sua residência no bairro da Manga em Várzea Grande, onde teve o mandado de prisão cumprido. Em entrevista na delegacia, a suspeita confessou que realmente sequestrou a criança para fazer um “trabalho”, porém disse que atualmente se converteu em outra religião e não atuava mais nesse tipo de prática.