Estudantes e professores de escola estadual visitam aldeia para conhecer etnia Bororo
http://www.urgentenews.com.br/wp-content/uploads/thumbnail-for-325763.jpg
Mato Grosso
eyJfb3JpZ2luYWxfdXJsIjoiaHR0cDpcL1wvd3d3Lm10Lmdvdi5iclwvd2ViXC9zZWR1Y1wvLVwvMTE2MzE1ODktZXN0dWRhbnRlcy1lLXByb2Zlc3NvcmVzLWRlLWVzY29sYS1lc3RhZHVhbC12aXNpdGFtLWFsZGVpYS1wYXJhLWNvbmhlY2VyLWV0bmlhLWJvcm9ybyIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbmFsX2xpbmsiOiJubyIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX29yaWdpbl9sb2dvIjoiIiwiX3dwX2NyYXdsZXJfc2NoZWR1bGVfb3JpZ2luX2xvZ29fbGluayI6IiIsIl93cF9jcmF3bGVyX3NjaGVkdWxlX2Nhbm9uaWNhbF9saW5rIjoibm8iLCJfd3BfY3Jhd2xlcl9zY2hlZHVsZV9mb250ZSI6IkZvbnRlOiBHT1YgTVQifQ==

Alunos e professores da Escola Estadual Elizabeth de Freitas Magalhães, em Rondonópolis (212 quilômetros ao sul de Cuiabá), celebraram o Dia do Índio de uma forma diferente. Sessenta estudantes do ensino médio e educação de jovens e adultos (EJA), acompanhados de 25 professores, visitaram nesta quarta-feira (17.04) a aldeia Tadarimana da etnia Bororo e passaram o dia realizando  diversas atividades.

Segundo o coordenador pedagógico Rodrigo Lemes, desde a chegada na aldeia, os alunos e professores participaram das festividades iniciada com as boas-vindas, por meio da dança de festa conhecida como “tóro”. Durante a tarde, as festividades incluíram danças e conhecimentos da etnia Bororo.

“Tivemos uma aula sobre os índios da etnia Bororo. Num dos grandes momentos de nossa aula de campo, o cacique e um representante indígena responderam a todas as perguntas dos alunos. Eles tiveram a oportunidade de tirar dúvidas sobre vários assuntos, como religião, alimentação, aposentadoria e outros”, destaca.

A professora de história Márcia Salgueiro classificou a visita como muito proveitosa. “Não só para os professores como também para os alunos”, ressaltou.

Ela acrescenta que o bate-papo com o cacique foi enriquecedor, pois abriu as portas do local. “O maior momento foi quando os alunos puderam fazer as perguntas e todas foram respondidas. As danças também desmistificaram a imagem que tínhamos dos indígenas”, explica.

Para a professora, a visita à aldeia foi uma forma de, tanto os alunos como os professores, conhecerem melhor a cultura dos Bororo e trazer de lá uma imagem menos preconceituosa para os demais alunos.

O professor de sociologia André Brandão concorda. Ele explica que, apesar da Escola Elizabeth receber alunos Bororo há bastante tempo, levar os estudantes não indígenas até a aldeia foi uma experiência enriquecedora. A Escola tem 62 alunos da etnia Bororó, matriculados nos três períodos, que utilizam o transporte escolar para o deslocamento de cerca de 60 quilômetros diários.

“Foi um passo extremamente importante para superarmos a visão folclorizada que ainda se tem dos povos indígenas. O aprendizado se tornou mais efetivo quando mergulhamos em uma realidade local que nem sempre é abordada nos livros didáticos, as falas dos Bororos sobre sua organização social, suas perspectivas e seus desafios atuais nos fazem refletir sobre mais ações de integração que vão para além da Semana do dia 19 de Abril”, ressaltou.