Aluna Camponovense é semifinalista em Olimpíada de Língua Portuguesa em São Paulo

9

A aluna Júlia Quérem Santana Machado, de 10 anos e aluna da escola Municipal 04 de julho foi semifinalista na categoria “Poema” na 6 edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, sendo o seu poema eleito o melhor do estado, onde Júlia representou o município em nível nacional. 
Segundo Dilza Zamparoni, professora de Júlia, a aluna foi a única representante do estado do Mato Grosso, “saber que só tinha nos do Estado de Mato Grosso o representando foi muito bom.” 
Júlia se inspirou em sua cidade para cada detalhe de seu poema, na qual o tema foi “meu pedaço do país”, ressaltou “minha maior inspiração foi o lugar onde vivo, oque tem nele, oque eu acho de legal, os lugares aonde acho mais atraentes.” 
O evento aconteceu em São Paulo, e Júlia disputou seu poema com mais de 100 mil outros poemas, sendo semifinalista. 
A seguir Poema: 

Meu pedaço do país

No lugar onde moro
O sol nasce bem cedinho
Iluminando nossas belezas
E o cantar dos passarinhos.
 
Mas não é sempre essa harmonia
O sol traz a sequidão.
Por aqui são seis meses de desgosto
Ninguém aguenta nosso agosto
Só o que me chama atenção
São as graciosas flores dos ipés
Esparramadas na avenida, pelo chão
 
E para acabar com essa secura
As chuvas de setembro trazem fartura
Renovando o verde do cerrado
Revigorando a força enraizada.
Das árvores baixas e curvadas
Que brotam profundas do solo arenoso
Favorecendo as águas esverdeadas.
 
Compartilhamos com os Parecis
Uma grande reserva indígena,
De cachoeiras e fauna preservada,
Que contam as origens da cidade.
Índios formosos cantam e dançam
Agradecendo a mãe natureza
Serem donos de tamanha beleza.
 
E a terra vermelha, onde tudo dá
Faz enriquecer nosso rincão
Motivo que cantamos nosso hino
O orgulho latente em ser
Celeiro Nacional da Produção
Tudo que se planta
Muda a rotina por aqui.
 
O milho de pipoca é tradicional
Mas tem um cheirinho sem igual.
A cana traz migração
Em época de contratação.
A soja já não reina no rincão
Deixa ora verde sobre o chão,
Ora dourado com a sequidão.
 
E para seguir o sol
Os belos campos de girassol.
Mas nada se compara
Ao exuberante algodão
Para uns nuvens, outros neve
Ouro branco, junta o céu e o chão
Embelezando nosso chapadão.
 
Nossas terras de belezas
Nossas terras produtivas,
Que geram riquezas
Garantindo renda
A nossa nação.
Além do orgulho
De crescer nesse chão.
 
É terra de oportunidades
Tem habitantes de muitos lugares
Em busca de trabalho e melhorias
Para o sustento de suas famílias.
 
Terra de tantos sonhos e realizações
Seu progresso me faz feliz.
Se quer saber qual é esse lugar,â€¨É Campo Novo do Parecis.
 
Júlia Quérem Santana Machado