Projeto de Max Russi que reforça investigações nos roubos de cargas é aprovado em primeira votação

11

O novo texto à Lei Complementar 407/2010 propõe ainda o apoio às averiguações de crimes em andamento em outras delegacias.

Foto: Ronaldo Mazza

Foi aprovado em primeira votação o Projeto de Lei Complementar nº 11/2019 (Íntegra aqui), de autoria do deputado Max Russi (PSB), que atribui à investigação de furto ou roubo de bancos, caixas eletrônicos, defensivos agrícolas e cargas transportadas em vias terrestres, fluviais ou aéreas à Divisão de Investigações Especiais da Polícia Civil. Apreciado na sessão ordinária da última terça-feira (10), o novo texto anexo à Lei Complementar 407/2010 propõe ainda o apoio às averiguações de crimes em andamento em outras delegacias.

O parlamentar alerta que em nosso estado, a cada ano, aumenta a incidência nesse tipo de crime e ainda cita dados do Sindicato de Empresas de Transportes e Cargas de Mato Grosso (Sindmat), que apontam um aumento de 42% desses delitos, registrados nos últimos 12 meses. As transportadoras tem sido as mais prejudicadas.

“Esse foi um pedido dos sindicatos, que estão sofrendo com esse tipo de crime em nosso Estado. Precisamos fortalecer a Polícia Civil, para que assim possa desvendar esses roubos e prender esses bandidos”, discursou.

Em maio desse ano, o deputado Max Russi sugeriu a criação de políticas integradas de segurança pública nas rodovias federais e estaduais de Mato Grosso, em cooperação entre as forças policiais do Estado e da União, no combate ao roubo de cargas e caminhões. 

Na época, a Indicação nº 1372/2019, apresentada a Casa de Leis pelo parlamentar, foi encaminhada a Superintendência Regional do Departamento de Polícia Rodoviária Federal.

A intenção é combater esse tipo de delito, assim como desarticular o “modus operandi” dos criminosos, por meio da instrumentalização de operações entre as policiais, tendo como base o compartilhamento de dados e a cooperação mútua. 

“Tenho recebido muitos pedidos de ajuda, até pela minha rede social, de motoristas de nosso estado, que já não sabem mais o que fazer. São pais de família, que estão buscando o sustento de forma honesta, mas que estão à mercê de bandidos, infelizmente. Por isso é importante reforçar essa cobrança“, justificou.

Fonte: ALMT