Vice-prefeito fortalece o compromisso da gestão com os interesses do Centro Histórico

9

O vice-prefeito Niuan Ribeiro reiterou o compromisso da Prefeitura de Cuiabá com os interesses dos comerciantes do Centro Histórico, durante uma audiência pública realizada pela Câmara Municipal, na última segunda-feira (15), na Praça Caetano de Albuquerque. Durante o debate, que contou com a participação de vários lojistas, vendedores ambulantes locais, além de membros da sociedade civil organizada e entidades do setor, o gestor pontuou a necessidade de tomar medidas efetivas que fortaleçam a economia da região, à medida que promova o vigor sócio cultural do espaço, que tem se perdido ao longo das décadas.

“Temos a consciência de que é fundamental estar ao lado do povo, ouvindo seus anseios e planejando medidas estratégicas que o valorizem. E gestão pública se faz com o apoio da sociedade civil organizada e de demais entidades, como a própria Câmara Municipal, e é por isso que audiências como essa são fundamentais. São em ocasiões dessa natureza que conseguimos elencar as dificuldades existentes entre os diversos setores sociais. E em se tratando do Centro Histórico, ele é a nossa prioridade e precisamos garantir sua permanência, trazendo vida e um novo vigor à região, com medidas reais que promovam o repovoamento do espaço. Além das inúmeras revitalizações já feitas nas praças centrais, por meio desse franco diálogo daremos o encaminhamento em posturas que garantam a seguridade do trabalho dos comerciantes e ambulantes, seguindo todos os trâmites legais, conforme solucionamos – de uma vez – esse antigo problema sócio cultural”, revelou Niuan Ribeiro, que esteve representando o prefeito Emanuel Pinheiro na ocasião.

Para o presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, Misael Galvão, a audiência teve por objetivo dimensionar os reflexos sentidos pelos comerciantes e vendedores ambulantes quanto às dificuldades enfrentadas no centro, como seu esvaziamento após às 18h. Salientando o papel dos representantes sociais, ele ponderou sobre a importância de atuar nas ruas, elencando perguntas e buscando respostas junto ao poder público. “O trabalho feito nos gabinetes precisa ser deliberativo, com o foco das nossas atividades sendo genuinamente aqui, em praças e bairros, levantando as carências e adversidades sentidas pela população. E nesta noite estamos diante de uma circunstância que precisa da união de todos os setores. Apenas dessa forma é que conseguiremos propor medidas eficazes que fortaleçam o comércio na região, valorizando também os contribuintes, que são a força motriz que mantém o Centro Histórico vivo e pulsante”, pontuou.

E para contribuir para os diálogos e tomada de decisões, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) esteve presente, sinalizando a favor de uma mutualidade entre todas as partes, na busca por soluções que valorizem a região central, sem descaracterizar seu aspecto nostálgico e clássico. Segundo a superintendente do órgão, Amélia Hirata, “precisamos encontrar um equilíbrio entre todos os interesse e anseios. Sabemos que muitas vezes vamos divergir em nossos posicionamentos e é por isso que temos que estabelecer uma relação construtiva, onde um ponto de contato possa ser encontrado. Nosso objetivo é certificar que o Centro Histórico tenha sua essência preservada e resguardada, pensando também em alternativas cabíveis que conservem a trajetória de trabalho de todos aqui presentes”, salientou.

E manter sua jornada como vendedora ambulante é uma das grandes preocupações da Cida Aparecida Ribeiro de Oliveira, popularmente conhecida na região como Cida do Camelô. Para ela, existe uma apreensão quanto ao uso do centro, após às 18h, quando o espaço começa a ser tomado por pessoas com comportamentos preocupantes e perigosos. “Temos um beco em um dos calçadões que chega a ser assustador, depois do horário comercial. E por isso precisamos de mudanças que possam impedir esse tipo de coisa, trazendo vida para o local, e oferecendo tranquilidade para todos circularem por aqui. Eu trabalho nessa área há muitos anos e meu sustento vem daqui. Quero continuar fazendo isso, e o apoio da Prefeitura e das outras entidades é o que vai garantir nossa dignidade”, concluiu.

Também estiveram presentes na audiência o secretário Municipal de Cultura, Esporte e Turismo, Francisco Vuolo; o secretário-adjunto de Cultura, Justino Astrevo; o promotor Gerson Barbosa, da 17ª Promotoria de Justiça de Defesa Ambiental, da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá; a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL); a Associação Comercial de Cuiabá; a Polícia Militar; a Associação dos Comerciantes de Comida de Rua (ACCR), além de vereadores por Cuiabá.

Fonte: Prefeitura de Cuiabá MT