Viaduto Jornalista Clóvis Roberto de Queiroz recebe ação de limpeza

12

Mais de 25 operadores de limpeza urbana atuaram no viaduto jornalista Clóvis Roberto de Queiroz, popularmente conhecido como viaduto da UFMT, com serviços de zeladoria em toda a extensão do elevado. A ação aconteceu durante o domingo (14) e faz parte do planejamento montado pela Prefeitura de Cuiabá, no intuito de garantir a frequente limpeza das estruturas de mobilidade por onde milhares de veículos trafegam diariamente.

O trabalho é coordenado pela Secretaria de Serviços Urbanos e já foi executado neste ano nos viadutos Jamil Boutros Nadaf, situado na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, Eng.° Domingo Iglesias Valério (Despraiado) e no Complexo Viário Walter Rabello (Trincheira do Tijucal). De acordo com o cronograma, a próxima a receber a atividade será a Trincheira Lenine de Campos Póvoas, na Avenida Miguel Sutil.

“Realizamos os serviços de varrição e recolhimento de todo o lixo que são jogados de dentro dos veículos. Por apresentarem essa movimentação constante, decidimos que, todos os domingos ou feriados, faremos esse trabalho. Dessa forma, além de garantirmos a segurança dos nossos servidores, ainda evitamos que o trânsito sofra qualquer tipo de prejuízo.”, explica o secretário José Roberto Stopa.

A ação de zeladoria faz parte das atividades atribuídas ao poder público municipal e tem como principais objetivos ofertar ao cidadão, um meio ambiente agradável e também atuar como medida de saúde preventiva. Para a realização desse trabalho, o Município conta com mais de 400 servidores operando diariamente nas quatro regiões da cidade. Somente na área do Centro Histórico, cerca de 100 colaboradores, divididos em dois turnos, retiram uma média de cinco toneladas de lixo, por dia.

“Vamos fazer nossa parte para manter esses locais limpos, mas precisamos chamar a atenção da sociedade sobre o importante papel de colaborador que ela deve exercer. Recolhemos tudo que encontramos nessas estruturas, mas existem aqueles materiais que são levados para as bocas de lobo e acabam poluindo o nosso Rio Cuiabá”, comenta o diretor de Resíduos Sólidos Anderson Matos.