Guedes vai renunciar se Previdência virar “reforminha”: “Vou morar lá fora”

12
source

minsitro da Economia, Paulo Guedes
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Guedes garantiu que deixará cargo caso Previdência sofra mudanças muito abruptas


O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que vai renunciar ao cargo se a reforma da Previdência proposta por ele e o resto da equipe do presidente Jair Bolsonaro (PSL) for muito desitradada no Congresso. Ou seja: caso ela sofra muitas alterações em seu texto.

Leia também: Guedes diz que reforma da Previdência será aprovada em até 90 dias

Em entrevista à Veja , Guedes foi enfático ao dizer que não suportará caso projeto vire uma “reforminha”. “Pego um avião e vou morar lá fora”, declarou. “Já tenho idade para me aposentar.” 

O ministro afirmou, no entanto, que a saída não seria repentina, já a partir do momento que a reforma da Previdência  fosse descartada. “Deixa eu te falar um negócio que é importante. Eu não sou irresponsável. Eu não sou inconsequente. Ah, não aprovou a reforma, vou embora no dia seguinte. Não existe isso. Agora, posso perfeitamente dizer assim: ‘Olha, já fiz o que tinha de ter sido feito. Não estou com vontade de ficar, vou dar uns meses, justamente para não criar problemas, mas não dá para permanecer no cargo’”, pontuou.

Guedes ressaltou, ainda, a importância de que todos queiram fazer as mudanças nas regras de aposentadoria . “Se só eu quero a reforma, vou embora para casa. Se eu sentir que o presidente não quer a reforma, a mídia está a fim só de bagunçar, a oposição quer tumultuar, explodir e correr o risco de ter um confronto sério… pego o avião e vou morar lá fora.”

A nova Previdência defendida pelo ministro prevê uma economia de R$ 1 trilhão dentro de dez anos . Perguntando sobre até quanto seria “aceitável” que a reforma fosse desidratada, ele não teve dúvidas: R$ 800 bilhões.  “Se os parlamentares aprovarem algo que represente uma economia menor que 800 bilhões de reais, não há a menor possibilidade de lançar uma nova Previdência. Estaríamos só remendando a velha”, explicou.

Fonte: IG ECONOMIA