Ao motivar ato em seu apoio, Bolsonaro flerta com o autoritarismo

10
source

IstoÉ


A boa-fé do político é a clareza; Jair Bolsonaro (PSL) é a escuridão – toda vez que ele se manifesta, pessoalmente ou no Twitter, dá curto-circuito na democracia do País. Bolsonaro aposta na confusão social e política, como o faz todo governante com temperamento autoritário, porque é nesse clima que ele consegue se vitimizar e responsabilizar os demais poderes republicanos pela paralisia do Brasil – enquanto a culpa é dele próprio, devido, sobretudo, a sua incompetência, inépcia e inabilidade.

O truque é velho demais e frequenta a agenda dos que narcisicamente deliram com a perpetuação no poder. Bolsonaro deu as costas à classe política e menospreza o Congresso – poder constituinte imprescindível ao funcionamento democrático de uma Nação -, e isso ocorre desde o primeiro minuto de seu mandato. Nos últimos dias, no entanto, o capitão da reserva ultrapassou os limites de freios e contrapesos inerentes ao Estado de Direito e aos regimes representativos, flertando abertamente com o autoritarismo ao dar motivo à organização de uma manifestação em seu apoio , agendada em cinquenta cidades do País para esse domingo 26.

Bolsonaristas radicais alardearam ao longo da semana que “um protesto estava sendo montado”, e a primeira pergunta, a mais óbvia de todas, é a seguinte: protestar contra o quê? É ridículo, mas só se for para protestar contra o próprio Bolsonaro, pois não é outra pessoa, senão ele, a responsável pela fomentação das crises nacionais – nelas incluído o choque entre os poderes federativos.


Kim Kataguiri
Divulgação/Câmara dos Deputados

“Pautas como o fechamento do Congresso Nacional e do STF são antiliberais. Não se pode criar uma seita em defesa do presidente”, diz Kim Kataguiri, deputado federal e líder do MBL

A ideia do “protesto” flerta com o autogolpe autoritário , pega na mão do arbítrio e beija o regime de exceção, a tal ponto que apoiadores de Bolsonaro, do primeiro time à época de sua campanha eleitoral, não concordam inteiramente com esse ato. O movimento empresarial Brasil 200, por exemplo, que tem entre seus representantes os empresários Flávio Rocha e João Appolinário, diz sim às palavras de ordem que cobram do Legislativo as aprovações da Reforma da Previdência e do pacote anticrime do ministro Sérgio Moro.

O movimento é literalmente avesso, porém, aos extremismos que pregam o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. “A forma como a proposta da manifestação surgiu era um pouco nebulosa, vimos pessoas com hashtags sobre invadir o Congresso e o STF”, diz Gabriel Kanner, presidente da entidade. “A nossa orientação é refutar qualquer tipo de pedido nesse sentido”.

No interior do Brasil 200, as mensagens de WhatsApp que se liam na semana passada explicitavam “parabéns ao Flávio por não aderir ao ato golpista de Bolsonaro”, “peço a todos que repensem qualquer apoio a esse governo” e “estamos num momento gravíssimo”. Ou seja: o conservadorismo clássico do Brasil 200, que pode até ser de direita, quer economia liberal e democracia política, mas jamais ditadura.

O igualmente conservador Movimento Brasil Livre (MBL) segue no mesmo rumo. “Pautas como o fechamento do Congresso e do STF são antiliberais”, diz o deputado federal Kim Kataguiri (DEM), um dos líderes do MBL. Assim, nem entre os recém-criados grupos e legendas direitistas o presidente recebe apoio integral.

A favor do “protesto” – comandado principalmente por dissidentes radicais das diversas organizações que atuaram em sua campanha eleitoral -, bolsonaristas postaram mensagens que, inimaginavelmente nos dias atuais, de fato pregavam o fechamento da Corte Suprema, da Câmara e do Senado. Nas ruas, o que se verá serão reivindicações em todos os sentidos, algumas plausíveis exigindo as reformas, outras malucas atraindo um golpe.

Hamlet e o reino do Brasil

O presidente Jair Bolsonaro, passando por cima de todos e por cima de tudo, quer uma ligação direta com as ruas e vislumbra o atalho populista – idêntico ao seguido pelo bolivarianismo na arrasada Venezuela -, que descarta as necessárias e saudáveis intermediações de partidos, Parlamento e Justiça na práxis de governar. Se isso é devaneio de Bolsonaro, que julga ter chegado ao Planalto como “missionário de Deus” ou se achando “o próprio Deus”, como o qualificou no Facebook o pastor congolês Steve Kunda, o certo é que tal surto não é um problema somente dele, de seu clã e seguidores, em relação ao qual podemos dar de ombros.

Não! Trata-se de loucura que recai sobre todos os brasileiros e que apenas na aparência é oca de sentido. Que ninguém, nem o mais puro coração da Terra, se engane: Bolsonaro, em seu vaivém de morde e assopra o Congresso, de morde e assopra o STF, é o emblema sem retoques de uma das mais geniais análises de William Shakespeare, na tragédia Hamlet, quando o moço príncipe dá sinais de descolamento da realidade. A seu respeito, o conselheiro do reino sentencia: “Loucura embora, lá tem seu método”.

A perigosa metodologia presidencial começou a ser exposta de forma contundente quando, pelas redes sociais, o mandatário divulgou uma mensagem , até então apócrifa, falando de “ingovernabilidade” no Brasil devido às “corporações” instaladas na elite do poder, sobretudo no Congresso (declarou-se posteriormente como autor da escrita o engenheiro Paulo Portinho). Qualquer governante que tivesse uma gota de bom senso no sangue teria jogado a mensagem no lixo, mas o “mito” preferiu tocá-la à frente e com a recomendação de “leitura obrigatória”.

Daí veio para militantes extremistas o combustível para as manifestações. Terá gente ponderada no ato? Sim. Mas também terá aqueles que se movem somente pela ideologia e doutrinação, sem compromissos sérios com o País. Até as paredes do Palácio do Planalto, já escoladas nas tramas ideológicas à direita e à esquerda, sabem que Bolsonaro assim agiu com a mensagem de Portinho porque é incapaz de assegurar politicamente a governabilidade.

Além disso, era a chance de ele falar em “ruptura” institucional e testar o povo. Houve quem aderisse à tal projeto imediatamente, feito os dirigentes do Clube Militar, que assumiram a convocação no Rio de Janeiro – é todo mundo da reserva e sem comando de tropa. E o líder do governo no Senado, major Olímpio, que orgulhou-se em dizer que “encabeçava o movimento” – eis uma frase que de fato lembra golpe: “encabeçava o movimento”.


Jânio Quadros
IstoÉ/Divulgação

Jânio renunciou falando em “forças ocultas e terríveis”. Pensou que o povo o reconduziria ao Planalto. Bolsonaro faz o inverso: primeiro testa as ruas para depois, quem sabe, tentar o golpe

O transatlântico e a canoa

Houve, no entanto, uma espécie de vitória antecipada das instituições democráticas, à medida que o próprio presidente do PSL, deputado federal Luciano Bivarveio a público declarar que “a manifestação é sem sentido”. Contrário, também, dizia-se o líder do governo na Câmara, deputado federal Vitor Hugo (PSL-GO). Finalmente, outra dura crítica à manifestação foi imposta pela deputada estadual Janaina Paschoal (PSL), de São Paulo.

Com a força e o prestígio de parlamentar mais votada,  Janaina iniciou os primeiros movimentos para deixar o PSL e disparou que o presidente está “gerando crises”. Na mesma linha foi o líder da comissão da Reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PR-AM), para quem Bolsonaro arma “uma cilada”. “O problema dele não é com o Congresso nem com os parlamentares do centrão. É com a democracia e as instituições”, diz Ramos. “É surreal que alguém que viva da política há vinte e oito anos, que botou a família inteira na política, diga agora que a política não presta”.

Para atar as duas pontas do cordão de isolamento que se faz em relação a Bolsonaro e ao seu personalismo, integrantes de dez partidos (entre eles PSDB, Cidadania, PT e PDT) reuniram-se em São Paulo e criaram uma cúpula suprapartidária de oposição, lançando o movimento “Direitos Já, Fórum pela Democracia”. Todas essas pessoas concordam com reivindicações realistas, mas é claro que jamais endossariam nem endossarão atitudes contra a democracia.


Janaina Paschoal
Marcelo Camargo / Agência Brasil

“Pelo amor de Deus, parem as convocações. Não tem sentido quem está com o poder convocar manifestações. Raciocinem!” Janaina Paschoal, deputada estadual, que pretende sair do PSL

Com certeza Bolsonaro não esperava ficar tão isolado e nem supunha que o desembarque de tanta gente, daquilo que já lhe foi um transatlântico de apoio e hoje virou canoa sem remo, se daria com tamanha rapidez. Restam-lhe as ruas, mas as ruas são uma incógnita – e, nelas, ele  não poderá estar pessoalmente para não correr o risco de impeachment  por crime de responsabilidade.

É bastante razoável supor que boa parte da militância radical anônima esteja presente no tal “protesto”, mas a cartada do presidente é contar com massiva participação do cidadão, digamos, comum. É dele que Bolsonaro precisa para se apoiar, após afrontar abertamente as instituições e, particularmente, a classe política. Jair Bolsonaro não conhece a história de seu próprio País, sequer a mais recente, porque, se a conhecesse, não teria esticado a corda sob risco de vê-la arrebentar.

Bastaria a ele lembrar de Fernando Collor e Dilma Rousseff , que quando se sentiram náufragos no mar de lama da corrupção insuflaram a população. Apelaram às ruas. E caíram do poder. Ainda no campo da história, a estratégia de Bolsonaro se aproxima, sobretudo, da tática de Jânio Quadros, em agosto de 1961. Jânio renunciou após sete meses na Presidência da República, falando em “forças ocultas” e “forças terríveis” que o impediam de governar. Tudo mentira.

Ele acreditou que o povo o reconduziria nos braços ao Planalto, tal a sua popularidade sob o lema de “varrer a bandalheira”. Aconteceu o inesperado: o povo silenciou. Bolsonaro transformou as “forças ocultas” em “corporações” que levam à “ingovernabilidade”, mas está tomando uma precaução: testa as ruas antes de tentar o autogolpe. Seguindo o axioma matemático, a ordem dos fatores foi invertida, porém o resultado é bem provável que seja o mesmo: o suicídio político.

A RUA E A QUEDA DE PRESIDENTES DA REPÚBLICA

Sempre que um governante do Brasil convoca a população para defendê-lo em praça pública, em uma situação de crise de poder, ele se dá mal. É quase uma regra. Começou com Jânio Quadros, que em agosto de 1961 tentou dar um golpe denunciando “forças terríveis e ocultas” que estariam atuando contra ele. Acabou sem apoio e sem cargo, além de ser classificado como lunático. Nenhum cidadão mexeu uma palha para mantê-lo no governo.




Outro caso notável é o do ex-presidente Fernando Collor, que, atolado em denúncias de corrupção, convocou, no dia 13 de agosto de 1992, em um pronunciamento na televisão, a população a vestir as cores verde e amarelo no domingo 16 e sair às ruas em defesa do governo. Seria uma resposta aos que o acusavam de corrupção.

Em vez do verde e amarelo o que se viu foram milhares de jovens e adultos tomando as ruas das capitais vestidos com roupas negras e com o rosto pintado na mesma cor, em um sinal de luto contra a roubalheira. O movimento ficou conhecido como “caras-pintadas”. O mandato de Collor acabou em impeachment.

Dilma Rousseff, que, mais recentemente, chamou a população para ir às ruas defendê-la, também deu com os burros n’água. O chamado serviu de pretexto para a oposição se mobilizar. Diversas manifestações que reuniram centenas de milhares de pessoas tomaram o País entre 2015 e 2016 e definiram o seu destino, Dilma, pediu apoio do povo. Também acabou sendo deposta.

Fonte: IG Política