Advogado de Temer diz confiar na justiça, mas cita imparcialidade de juízes

4

Michel temer entrando no carro
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo – 9.5.19

Michel Temer voltou para sua casa nesta quarta-feira (15)


Depois de acompanhar o ex-presidente Michel Temer até sua casa na região de Pinheiros, em São Paulo, o advogado Eduardo Carnelós voltou a defender a inocência do ex-presidente. Comemorando a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que concedeu o habeas corpus na terça-feira (14), o defensor do emedebista falou em “justiça feita”, mas também alfinetou a atitude de alguns juízes que, segundo Carnelós, estão tomando parte em julgamentos.

Leia também: Temer se entrega à Justiça em São Paulo e é preso pela segunda vez

Carnelós afirmou que não há nenhum motivo para manter Michel Temer preso e disse acreditar que o ex-presidente não volte para a prisão.

“Os votos foram bastante eloquentes, todos consentidos de que não há nenhuma justificativa de que Michel temer seja levado à prisão. As acusações estão todas calcadas nas palavras de delatores. Nós somos sabedores de que no final o ex-presidente ficará livre dessas acusações descabidas”, afirmou.

Leia também: Michel Temer deixam prisão em São Paulo após decisão do STJ

O emedebista foi levado à prisão pela segunda vez após decisão do desembargador Abel Fernandes Gomes. O mandado, segundo Carnelós , foi descabido.

“Eu como advogado não posso temer. Juiz não é investigador e isso precisa ser entendido. Se o juiz se torna combatente de uma causa, ele perdeu a imparcialidade, porque ele tomou parte”, disse o defensor.

Leia também: Temer deverá entregar passaporte; entenda o que acontece após decisão do STJ

Temer é réu em seis processos, acusado em outra investigação de comandar uma organização criminosa formada por políticos do MDB, que teria desviado dinheiro de empresas e órgãos públicos, como Petrobras, Furnas, Caixa Econômica, Ministério da Integração Nacional e Câmara dos Deputados. O ex-presidente também foi acusado de atrapalhar as investigações da Lava-Jato.