Grupos a favor e contra Bolsonaro preparam manifestações nos EUA

11

Bolsonaro com Trump
Alan Santos/PR – 19.3.19

Jair Bolsonaro volta aos Estados Unidos diante de manifestações prós e contras


A véspera da chegada do presidente Jair Bolsonaro a Dallas foi intensa para grupos pró e contra o presidente brasileiro no Texas. Enquanto coletivos LGBTI e de direitos humanos organizavam manifestações para a confecção de cartazes na tarde desta terça-feira, um grupo com mais de 200 brasileiros que moram na região preparava faixas e camisetas de apoio ao presidente. Bolsonaro vem à cidade texana receber o prêmio de Personalidade do Ano da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

“Aqui é tudo trabalho voluntário. A gente sonha com um Brasil melhor e por isso apoia o presidente da mudança”, afirmou Bete Singer, que mora há 33 anos nos EUA. — O que eu mais gosto no Bolsonaro é que ele é direto, não puxa o saco de ninguém, não faz mimimi, ama o Brasil, é patriota, afirmou, garantindo que estará nas manifestações .

O grupo começou a se organizar dentro da comunidade brasileira, em lojas e restaurantes da região e nas redes sociais. Renata Caprioglio, paulista que está nos EUA há 25 anos, afirma que a imensa maioria da população que vive nos EUA é a favor do Bolsonaro. No segundo turno, o presidente eleito teve mais de 70% dos votos computados no consulado de Houston.

 — Nas eleições muita gente encarou quatro horas de carro para votar nele em Houston. Soube de amigas que foram de avião para votar  — diz ela, que participa do grupo que pretende se manifestar no aeroporto, na chegada do Bolsonaro, e em todos os eventos do presidente nos dois dias que passará na cidade.

Mas o lado contrário também se mobiliza. Embora em menor escala, Dallas deve viver manifestações semelhantes às previstas para a noite desta terça-feira em Nova York — que ocorrerão do lado de fora do jantar de gala que irá homenagear o presidente, mesmo sem sua presença.

 — Já temos sete grupos nos apoiando, entre defensores dos direitos humanos, dos direitos LGBTI e do meio ambiente — afirmou Hadi Jawad, do Dallas Peace and Justice Center. — É muito importante para nós mostrarmos que, mesmo ele sendo eleito democraticamente, defende políticas e posições que ferem as pessoas, então temos que combater isso.

Os grupos marcaram um evento para as 16h (18h em Brasília) desta terça-feira para finalizar os últimos cartazes contra o presidente brasileiro. Para Jawad, é importante mostrar que a resistência contra o presidente brasileiro não está apenas em Nova York  — recuos dos locais que iriam sediar o evento e protestos de ativistas foram omotivo da desistência da viagem de Bolsonaro à cidade, juntamente com as críticas do prefeito Bill de Blasio e de um senador estadual.

Após troca de acusações com de Blasio, a quem chamou de “radical”, o presidente recebeu apoio do vice-presidente Hamilton Mourão e do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e resolveu trocar o local onde receberá a premiação para Dallas, mesmo com as manifestações .