Funcionária que proibiu crianças de entrarem no Shopping JK Iguatemi é demitida

56
source

Alunos de escolas públicas de Guaratinguetá foram barrados na entrada do Shopping JK Iguatemi
Divulgação/Grupo Iguatemi

Alunos de escolas públicas de Guaratinguetá foram barrados na entrada do Shopping JK Iguatemi


A funcionária que  barrou a entrada de alunos de escola pública no Shopping JK Iguatemi, em São Paulo, foi demitida. A informação é da Organização Social Orientavida, ONG responsável pela trabalhadora, que era terceirizada pelo shopping.

O caso aconteceu na última segunda-feira (18), quando a funcionária proibiu a entrada de 120 crianças de escolas públicas da zona rural de Guaratinguetá, no interior do estado, no shopping de luxo JK Iguatemi

Acompanhados de diretores e professores, os alunos estavam em uma excursão escolar para conhecer a exposição “Mickey 90 anos”, em homenagem ao aniversário do desenho animado protagonista da Disney. Eles tinham ingressos comprados para a sessão das 14 horas e, antes da visita, iriam almoçar na praça de alimentação do estabelecimento.

Ao se deparar com a fila de crianças, a funcionária disse o shopping é destinado à “elite” e que, por isso, não poderiam entrar. Ela afirmou, ainda, que a praça de alimentação do shopping já estava lotada, e que não havia nenhum lugar apropriado ou de piquenique para as crianças comerem no local.

A mulher também teria sugerido que a presença dos alunos da escola pública traria problemas com a segurança do shopping.

Para conseguirem entrar no local, a Secretaria da Educação de Guaratinguetá precisou ser acionada, permitindo, então, o acesso das crianças. “Após conseguirem o acesso ao local, os alunos tiveram um ótimo passeio e uma experiência inesquecível, não tendo sido expostos em momento algum”, afirmou a secretaria, que também declarou que entende que a funcionária terceirizada “agiu por conta própria.”

Leia a nota na íntegra:

A Secretaria Municipal da Educação de Guaratinguetá vem manifestar seu apoio às diretoras, professores e alunos das escolas municipais que foram impedidas de ingressar no Shopping JK Iguatemi e Exposição Mickey 90 anos no dia 18 de março. Durante e após o episódio a preocupação dos educadores e da SME foi sempre preservar as crianças. Após conseguirem o acesso ao local, os alunos tiveram um ótimo passeio e uma experiência inesquecível, não tendo sido expostos em momento algum.
Após os contatos do shopping JK Iguatemi e da ONG Orienta Vida, organizadora da exposição, entendemos que a funcionária terceirizada da ONG agiu por conta própria, sem conhecimento das instituições, que se desculparam junto à Secretaria da Educação e junto às diretoras.
A Secretaria Municipal da Educação de Guaratinguetá repudia racismo e qualquer forma de discriminação, e continua acompanhando e apoiando educadores e alunos nas providências que julgarem necessárias.

Excursão dos alunos foi doação

Segundo a Secretaria da Educação de Guaratinguetá , as crianças são alunas das escolas municipais Caloi, Payão, Ana Fausta/Antonio Vieira e André Freire e foram escolhidas ” justamente por serem os que teriam menos oportunidade de item a uma exposição como essa”.

Leia também: Carrefour terá de pagar R$ 1 milhão para cuidados a animais após caso Manchinha

A secretaria também informou que os ingressos haviam sido doados pela ONG Orientavida , responsável pela funcionária que proibiu a entrada, e o ônibus foi pago pela Secretaria Municipal da Educação.

Resposta do JK Iguatemi


Em nota, Shopping JK Iguatemi disse que espera que todos os seus clientes se sintam acolhidos e bem-vindos
Divulgação/Grupo Iguatemi

Em nota, Shopping JK Iguatemi disse que espera que todos os seus clientes se sintam acolhidos e bem-vindos


Em nota, o JK Iguatemi disse que a colaboradora que causou o problema é terceirizada da Organização Social Orientavida, ONG (Organização Não Governamental) que é responsável pelo evento do Mickey . O shopping também disse que solicitou à ONG que reforce seu treinamento com a equipe de funcionários e que não compactua com a atitude.

O shopping disse, ainda, que trabalha para que todos os seus clientes se sintam acolhidos e bem-vindos.

Também em publicação oficial, a Organização Social Orientavida isse que o caso foi “isolado e pontual”: “A Organizacao Social Orientavida esclarece que o ocorrido na última segunda-feira (18) foi um fato isolado e pontual. A entidade reforça ainda que todos são bem-vindos na exposição e reitera que, a partir do momento que teve conhecimento do caso, tomou as medidas necessárias para que tal situação não mais ocorra. A Orientavida, que se dedica há 20 anos em projetos de inclusão com o objetivo de ajudar as dificuldades sociais, destaca ainda que não compactua com qualquer ato de discriminação”, escreveu.

Leia também: Shopping de área nobre de SP pede para apreender crianças e adolescentes de rua

A secretaria de Guaratinguetá também declarou seu “apoio às diretoras, professores e alunos das escolas municipais que foram impedidas de ingressar no Shopping  JK Iguatemi  e Exposição Mickey 90″ e disse que “repudia racismo e qualquer forma de discriminação, e continua acompanhando e apoiando educadores e alunos nas providências que julgarem necessárias.” 

Fonte: IG ECONOMIA