Ministérios firmam parceria para a redução da gravidez na adolescência

10

O Ministério da Cidadania, em parceria com os ministérios da Saúde, da Educação e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, irá reforçar as ações de prevenção da gravidez não intencional na adolescência. A carta compromisso, assinada na última sexta-feira (8), em Brasília, prevê a construção conjunta de medidas educativas voltadas para adolescentes, famílias e toda a comunidade.

Será por meio dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) que o Ministério da Cidadania irá atuar, com oficinas, atendimento e acompanhamento das famílias, além de garantir uma atenção especial aos adolescentes que participam do Programa Criança Feliz.

O secretário especial do Desenvolvimento Social, Lelo Coimbra, representou o ministro Osmar Terra no evento. Ele afirmou que essa ação é importante, pois a gravidez não intencional pode resultar em um nível maior de vulnerabilidade ou riscos sociais para as mães e seus filhos, particularmente, os recém-nascidos. “Estamos fortalecendo as atividades e as ações em torno da prevenção, de proteger para que a gravidez não aconteça em idades indesejadas, especialmente na adolescência, momento em que a pessoa está formando o caráter, as suas expectativas e as suas perspectivas de vida”, avaliou o secretário.

Consequências – Para o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a gravidez não intencional implica em problemas que perpassam vários campos do governo federal, como saúde e educação. Um exemplo são as mães que acabam saindo da escola para cuidar dos filhos, o que gera evasão escolar e pode ter desdobramentos na saúde da criança. Segundo o ministro, cada ano perdido da grade escolar aumenta a mortalidade infantil. “Quando digo que a gravidez na adolescência tem um índice maior de parto prematuro, estou falando de mais crianças com sequela que poderão sobrecarregar o Benefício de Prestação Continuada (BPC), a previdência e terão mais dificuldade de inclusão e ocuparão mais agenda nos direitos humanos”, explicou.  

De cada mil crianças que nascem no Brasil, 58 são filhos de adolescentes entre 15 e 19 anos, segundo dados do Ministério da SaúdeA assinatura da carta compromisso celebra a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência. Anualmente, a Semana é celebrada a partir do dia 1º de fevereiro. O objetivo é disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas por meio de campanhas de conscientização.