Polícia Civil prende boliviano que abusava sexualmente de enteadas em Cáceres

5

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Judiciária Civil de Cáceres (228 km a Oeste), através da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, prendeu um boliviano, de 40 anos, por estupro de vulnerável praticado contra as enteadas de 13 e 14 anos. A mãe das vítimas tinha conhecimento dos abusos e também será indiciada em inquérito policial por estupro de vulnerável.

As investigações iniciaram quando uma das vítimas procurou a delegacia para denuncias os abusos. A menor de 13 anos fugiu de casa e procurou a ajuda da ex-patroa da mãe, que encorajou a menina denunciar o padrasto. Na delegacia, a adolescente relatou os abusos iniciaram há cerca de dois anos quando a família ainda estava na Bolívia.

“A vítima relatou que o último abuso ocorreu há cerca de três semanas, mas que ela e a irmã eram abusadas desde que ela tinha 11 anos. A irmã mais velha, de 14 anos, tem um filho de um ano, possivelmente fruto das relações com o padrasto”, disse a delegada Judá Maali Marcondes, que coordena as investigações.

Diante das informações, a delegada representou pela prisão preventiva do suspeito que foi prontamente deferida pela Justiça. Com mandado em mãos, a equipe de investigadores da Delegacia da Mulher diligenciou até a propriedade do suspeito, no distrito do Caramujo, zona rural de Cáceres onde a família não foi mais encontrada.

Em continuidade as diligências, os policiais realizaram buscas por toda madrugada conseguindo localizar o suspeito no início da manhã em outra região da cidade, onde teve a ordem de prisão cumprida.

Segundo a delegada, o suspeito confessou os abusos praticados contra as enteadas e disse que a mãe das menores tinha conhecimento da situação. “Ele disse que a companheira ficava brava com os abusos, mas não o impedia de abusar das filhas”, pontuou.

A mãe das menores também será indiciada por estupro de vulnerável como coautora, uma vez que consentia com os abusos, sendo requerida a sua prisão em inquérito policial, que deve ser concluído dentro de 10 dias. “A adolescente de 14 anos também foi ouvida confirmando que também era abusada pelo suspeito e que sua mãe tinha conhecimento da ação do padrasto”, disse a delegada.