“Assunto de Família” costura crônica familiar delicada para observar afetos

6

O vencedor da Palma de Ouro em Cannes em 2018 é um filme que aborda o sentido, mas também o sentimento, de família de uma maneira criativa e insidiosa. “Assunto de Família” cativa a audiência com uma história de empatia e afeto, mas também a desafia com questionamentos morais e dilemas éticos nada fáceis.

Leia também: “Homem-Aranha no Aranhaverso” investe na linguagem da HQ e moderniza personagem


Uma das cenas mais tenras de
Divulgação

Uma das cenas mais tenras de “Assunto de Família”, que já está em cartaz nos cinemas brasileiros, acontece na praia

Hirokazu Koreeda, de filmes como “Pais & Filhos” (2013) e “Nossa Irmã Mais Nova” (2015), já demonstrara habilidade para esquadrinhar elos e rupturas familiares, bem como as demandas afetivas a promovê-las, mas em “Assunto de Família” ele alcança outro patamar por ser delicado,  sensível e especulativo, sem adentrar o pieguismo ou as convenções de gênero.

No primeiro contato que temos com Osamu Shibata (Lily Franky) e Shota Shibata (Jyo Kairi) eles estão furtando um supermercado. Osamu costuma dizer que o “que está no mercado não tem dono”. É um ensinamento que todos podem concordar problemático. Eles chegam a uma casa em um bairro periférico. A casa é pequena, com diversas coisas amontoadas e parece abrigar mais gente do que o recomendável.

Leia também: Autora de “After” espera que filme ajude jovens mulheres a assumir sexualidade

Vivem ali também uma mulher idosa, a qual Osamu e sua mulher Nobuyo (vivida pela espetacular Sakura Andô) tratam como avó, a jovem Aki (Mayu Matsuoka) e uma menina que os jornais dizem que sumiu de sua casa, Yuri (Miyu Sasaki).


Cena de Assunto de Família: o que é família de verdade?
Divulgação

Cena de Assunto de Família: o que é família de verdade?

Não demora para que o espectador perceba que aquela não é uma família de vínculos consanguíneos, mas sim uma formada por tipos rejeitados que aprenderam (ou tentam) a viver às margens de uma sociedade japonesa fechada e resistente a afetos – uma das bem alinhadas e minuciosas críticas que o filme elabora.

Todos os componentes dessa família postiça tem seu próprio esquema para conseguir dinheiro e a maneira como esses esquemas vão reverberando intimamente em algumas personagens, mas também nesse núcleo familiar vai se constituindo em uma das grandes revelações dramáticas do longa. Há uma cena, por exemplo, em que Aki questiona Osamu se ele e Nobuyo não fazem sexo, afinal, ela queria entender melhor a natureza da relação deles. A resposta de Osamu não só é desconcertante, como possibilita que uma cena que acontecerá alguns minutos depois ganhe mais estofo dramático e significados.  

Leia também: Com novo filme, Tessa Thompson coroa carreira estrelada em Hollywood

“Assunto de família” , que já tem refilmagem americana garantida, é uma demonstração eloquente do talento de Hirokazu Koreeda para perfilar a cultura japonesa de maneira respeitosa, mas questionadora. É, ainda, um exercício perene de reflexão afetiva para pais, filhos, irmãos e toda sorte de relacionamentos que construímos na jornada pela vida.