Associação criminosa que agia em assaltos a chácaras em Várzea Grande é presa pela Polícia Civil

6

Assessoria | PJC-MT

Três suspeitos de integrarem uma associação criminosa que agia com truculência em roubos na zona rural de Várzea Grande foram presos na quinta-feira (10) pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (DERF-VG).

As investigações, conduzidas pelo delegado Afonso Monteiro da Silva Junior, apontam que os detidos estão envolvidos em, pelo menos, dois roubos a chácaras. Eles atuavam com grave ameaça à integridade física das vítimas.

Ambos os assaltos ocorreram no mesmo dia, 08 de janeiro. O primeiro foi realizado na madrugada, por volta das 03h da manhã, o segundo roubo ocorreu por volta das 21h30, em uma chácara no assentamento Nossa Senhora Aparecida, também em Várzea Grande. Nas duas ações as vítimas foram agredidas fisicamente com coronhadas e socos e amarradas.

No primeiro roubo os criminosos subtraíram itens de valor na residência (eletrodomésticos, joias, e um veículo Saveiro). Na segunda ação dos bandidos foram levados dois veículos (um Corola e uma motocicleta XRE), além de joias e R$ 25 mil em espécie.

Os trabalhos de investigação apontaram que os suspeitos Igor Silva Guimarães, 24, (conhecido como “Jangada”) Romário Silverio Lima, 29, e Fagner Castro Soares, 28, atuaram nos dois roubos. Contudo, “existe a suspeita que eles tenham atuado também em outros roubos na região, em razão do registro de assaltos em que os criminosos atuaram com o mesmo modus operandi e violência”, explica o delegado à frente das investigações.

Submetidos a atos de reconhecimento, os criminosos foram apontados por algumas das vítimas como os autores dos roubos. Os três detidos ostentam vasta ficha criminal em delitos patrimoniais.

Conduzidos à delegacia, após diligências ininterruptas desde a data do crime, os suspeitos foram flagranteados por roubo majorado (pelo concurso de pessoas, emprego de arma de fogo e restrição a liberdade das vítimas) e associação criminosa.

O trio foi encaminhado para audiência de custódia, com a representação pela conversão do flagrante em prisão preventiva, ficando à disposição do Judiciário.

A Derf de Várzea Grande continua com as investigações para identificar outras ações realizadas pelo grupo na região, e também para identificar e prender eventuais comparsas dos detidos.