Andy Murray revela dores no quadril e anuncia aposentadoria do tênis

6

Andy Murray anunciou que vai terminar a carreira no tênis em 2019
FRANCISCO SECO/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Andy Murray anunciou que vai terminar a carreira no tênis em 2019

Notícia chocante para os amantes do tênis. Andy Murray surpreendeu a todos durante encontro com a imprensa na véspera do primeiro Grand Slam do ano, o Aberto da Austrália. O britânico, de 31 anos, se emocionou ao anunciar que vai se aposentar das quadras em 2019.

Leia também: Série documental sobre Serena Williams estreia na HBO GO na próxima segunda

Andy Murray irá disputar a primeira eliminatória do “Open da Austrália” na próxima segunda-feira (14), quando enfrenta o espanhol Roberto Bautista Agut. Após a revelação bombástica durante a conferência com a imprensa, que durou menos de 10 minutos, este poderá ser o último jogo da carreira do tenista.

“Eu não me sinto bem. Tenho lutado por muito tempo e sentido muitas dores nos últimos 20 meses. Fiz praticamente tudo que podia parar melhorar o meu quadril, e isso não ajudou muito”, disse Andy Murray em lágrimas.

Leia também: Aos 23 anos, Kyrgios diz que se aposenta do tênis se vencer o Australian Open

O tenista afirmou ainda que “Wimbledon é o local onde gostaria de parar de jogar, mas não tenho certeza se vou conseguir. Não sei se consigo jogar com dores por mais quatro ou cinco meses”, desabafou.

Em 2018, devido à cirurgia no quadril, Murray disputou apenas 12 partidas. O atleta fio operado pelo cirurgião australiano John O’Donnell, que não foi otimista em relação a uma recuperação total. O tenista será submetido a uma cirurgia mais complicada, mas com o objetivo apenas de melhorar sua qualidade de vida.

Leia também: ATP Finals: último torneio de tênis do ano terá homenagem a Gustavo Kuerten

Em 2008, o tenista brasileiro Gustavo Kuerten (Guga), também aos 31 anos, realizou sua última partida profissional, pois assim como Andy Murray , já não resistia mais às dores no quadril.

Guga passou por três cirurgias no local sem uma solução para sua lesão. Após mais de uma década, a medicina esportiva evoluiu, com relação às intervenções no quadril, melhorando as chances de recuperação dos atletas, contudo, até hoje ninguém voltou dela.