Marcos Pontes promete aconselhar Bolsonaro sobre saída do Acordo de Paris

5

Ministro da Ciência e Tecnologia de Bolsonaro, Marcos Pontes se reuniu com representantes da comunidade científica
Rafael Carvalho/Governo de Transição

Ministro da Ciência e Tecnologia de Bolsonaro, Marcos Pontes se reuniu com representantes da comunidade científica

O futuro ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, prometeu fornecer informações ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), antes que haja decisão sobre eventual retirada do Brasil do Acordo de Paris. À imagem do presidente norte-americano, Donald Trump, Bolsonaro já manifestou em mais de uma ocasião que não é simpático à íntegra dos termos previstos no tratado internacional sobre o meio ambiente.

“Nós temos, dentro da comunidade científica, participação muito grande em estudos e análises de clima e a importância do desenvolvimento sustentável. Essas informações todas serão levadas ao presidente. Obviamente, quem tem o poder de decisão é o presidente, mas nós temos a obrigação de informar sobre esses assuntos” disse Marcos Pontes nesta quinta-feira (6).

Questionado sobre o impacto do anúncio de que o  Brasil não sediará mais a Conferência do Clima da ONU em 2019, o astronauta e futuro ministro respondeu em tom de lamentação. “Existe, do nosso ponto de vista, pontos favoráveis para que a gente faça isso [sediar o evento]. Mas a gente respeita essas decisões”, disse.

O futuro ministro explicou ainda que, até segunda ordem, sua pasta seguirá responsável pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e pelo Inmetro. “Está no nosso organograma, mas, até sair o decreto, a gente não tem certeza das coisas”, afirmou.

Os Correios também segue sob a pasta do Ministério da Ciência e Tecnologia e, de acordo com o futuro ministro, a possível privatização da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos “não está em pauta”.

Pontes participa de reunião ao longo desta quinta com representantes de entidades da comunidade científica para definir prioridades do futuro governo. O futuro ministro explicou que a pasta deve ter três missões: produzir conhecimento, produzir riquezas para o País e contribuir para a qualidade de vida das pessoas.

Leia também: G20 pede uma reforma da OMC e reforça que o Acordo de Paris é “irreversível”

“A gente tem que desenvolver isso ao longo do ano para que recuperemos o prestígio do País. Ciêntia e Tecnologia são estratégicas para o desenvolvimento do País e nós precisamos ter esse prestígio para que a gente produza esse retorno para a sociedade”, disse.

“Temos uma série de projetos que podemos trabalhar em conjunto para melhorar saneamento e a vida de um modo geral. A nossa ideia é sempre pensando em desenvolvimento sustentável. A ciência pode colaborar muito com isso”, complementou Marcos Pontes .