Aprosoja recebe visita de senadora Selma Arruda e deputado federal Nelson Barbudo

4

Fortalecimento Institucional

Aprosoja recebe visita de senadora Selma Arruda e deputado federal Nelson Barbudo

Os parlamentares ouviram sobre a agricultura em Mato Grosso e afirmaram trabalhar pelo desenvolvimento do setor

08/11/2018

A senadora eleita Selma Arruda (PSL) e o deputado federal eleito Nelson Barbudo (PSL) estão em busca de informações sobre o agronegócio para pautar seus trabalhos no Congresso Nacional. Nesta quinta (08), foram recebidos na Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) pelo presidente, Antonio Galvan, o vice-presidente Norte, Zilto Donadello, o diretor executivo, Wellington Andrade, e o consultor técnico, Wanderlei Dias Guerra.

Galvan explicou como é a produção de soja e milho em Mato Grosso e os principais desafios dos agricultores. “Estamos entrando em um ano péssimo para os preços das commodities. É preciso entender que a compra de insumos e o plantio foram feitos com o dólar em torno de R$ 4 e, agora, devemos vender a produção com o dólar cerca de R$ 3. A conta não fecha”, esclareceu.

Seguindo este raciocínio, o presidente da Aprosoja explicou a importância da Lei Kandir para o setor e também como é feita a contribuição dos produtores rurais. “A maioria dos agricultores – 83%, segundo pesquisa, planta até 3 mil hectares, o que é considerado pequeno ou médio. Estes produtores rurais não exportam diretamente, pois vendem a produção para a tradings. Então, não são os ‘beneficiados’ pela Lei Kandir”, diz Galvan.

“Somos contra qualquer tipo de ilegalidade e favoráveis à fiscalização do Estado para que não haja sonegação”, frisou o presidente. Ele ressaltou que as matérias primas produzidas em Mato Grosso “são pra fora mesmo, não é possível absorver tudo aqui, precisa de industrialização e infraestrutura”.

Zilto Donadello, que também é coordenador da comissão de Política Agrícola da Aprosoja, ressaltou a necessidade de destravar os desafios logísticos e ambientais, como a questão fundiária. Em âmbito estadual, Galvan reforçou que a entidade apoia o governador eleito Mauro Mendes para que faça um bom trabalho, mas ressaltou que não é mais possível o setor absorver taxações como o Fethab 2. “Há dois anos, 40% dos agricultores conseguiam ‘se bancar’ sozinhos, hoje este percentual é de 19%. Estamos ficando descapitalizados”, afirmou.

A senadora Selma disse entender a importância do agronegócio. “Se a gente quebrar o agro, quebramos este Estado. Eu vejo um Estado ‘gordo’ e, como é guloso, a solução sempre é ‘vamos taxar’. Isso não pode mais acontecer”, afirmou. Para ela, é preciso melhorar a gestão pública.

O deputado federal Nelson Barbudo acredita que os maiores desafios podem ser solucionados em Brasília. “As demandas estão aí há anos, então temos que fazer uma força tarefa na classe política pra termos êxito”, finalizou.

 

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: comunicacao@aprosoja.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui