Professor Frankes retorna ao parlamento com projetos de sustentabilidade

3
style”color:”” rgb(34,”” 34,”” 34)”” font-family:”” arial,”” sans-serif”” font-size:”” 12.8px”””>

Por Beatriz Saturnino – Da Assessoria de Imprensa do vereador Frankes Siqueira

Com três projetos a serem desenvolvidos, o vereador Frankes Siqueria (PP) retorna ao parlamento da Câmara Municipal de Cuiabá por 60 dias, após a licença do vereador Paulo Araújo (PP). Na oportunidade irá fomentar os projetos “O Trânsito é Nosso amigo”, “Lixo é Luxo” e “Horta na Porta”.

De licença temporária, o vereador Paulo Araújo (PP) ficará ausente por 60 dias para tratar de assuntos particulares, com fundamento no artigo 21, inciso II da Lei Orgânica do Município combinado com o artigo 96, inciso III do Regimento Interno da Câmera Municipal de Cuiabá. Em sua ausência o vereador Frankes Siqueira assume o cargo e irá trabalhar, além das Indicações e Requerimentos de serviços aos bairros, três projetos importantes para a cuiabania.

Um dos projetos que serão apresentados nesta legislatura é “O Trânsito é Nosso amigo”, onde é aplicada a educação continuada para a qualificação dos agentes de trânsito e também, é claro, para a sociedade. Existe uma lei que os recursos de multas são destinados para extensão e capacitação das pessoas para um trânsito mais humanizado. E o projeto “O Trânsito é Nosso Amigo” vai vistoriar as ideias e ações da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) em relação a isso.

O segundo trabalho a ser desenvolvido é intensificar as ações junto a Secretaria de Serviços Urbanos (SMSU) na forma de fazer o projeto “Lixo é Luxo”. Ou seja, ampliar a ideia da coleta seletiva de lixo em Cuiabá, dando destino economicamente viável para esses detritos descartados. “Isto já existe em outras cidades do Brasil e nós vamos tentar ampliar aqui em Cuiabá”, garante o vereador, professor Frankes.

E o terceiro projeto é o “Horta na Porta”, que vai utilizar a estrutura das secretarias municipais para fomentar a produção de frutas e verduras em regiões urbanas de baixo poder aquisitivo, utilizando as áreas abandonadas. “Ou seja, tem muitos terrenos não edificados da própria Secretaria Municipal, que nós vamos incentivar a ocupação por parte dos moradores a fim de plantar horta para servir a própria comunidade local”, explica o parlamentar.

Imprimir Voltar Compartilhar:  

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui